Tirando dúvidas sobre o Plano Minha Casa Minha Vida

Muitas pessoas têm ouvido falar sobre como está fácil de realizar o sonho da casa própria através do plano Minha Casa Minha Vida, mas como isso não deixa de ser um investimento, sempre surgem algumas dúvidas sobre o que pode e o que não pode, é normal que as dúvidas surjam, portanto, veja alguns pontos do plano:

• Para poder participar do plano, é necessário que se tenha uma renda familiar de 0 a 10 salários mínimos, mas só precisam se cadastrar pessoas que tenham renda de 0 a 3 salários mínimos.
• Os documentos necessários são: Identidade, CPF, comprovante de renda e comprovante de residência.
• Pessoas estrangeiras residentes no Brasil também podem se cadastrar, desde que tenham todas as documentações.
• Quem tem a renda de 0 a 3 salários mínimos não é feita a pesquisa cadastral, mas quem tem acima disso, é feita a pesquisa, pois o plano funciona como um financiamento normal.
• Quem já foi beneficiado com algum programa do governo ou já utilizou o fundo de garantia, não pode participar do programa.
• As famílias que se encontram em áreas de risco, que estão aguardando reassentamento, tenham um membro da família com mais de 60 anos ou condições especiais, tem prioridade.
• Para acertar algum erro cadastral, basta a pessoa ir no posto da prefeitura que efetuou o cadastro.
• Quem já tem algum imóvel no nome, não pode usar do programa, pois a finalidade é beneficiar as pessoas que não tem nenhum imóvel.
• O valor máximo para compra é de R$ 130 mil.
• Mesmo o imóvel ainda estando financiado, a pessoa que tem a renda de até 3 salários mínimos pode vende-lo, mas não poderá ter direito a mais nenhum plano de beneficio do governo.
• O comprador não precisa comprovar nada, a compra ocorre normalmente.
• Quem tem a renda familiar até 3 salários mínimos também não precisa pagar taxa para se inscrever e o contemplado só começa a pagar a primeira parcela, depois que a moradia está construída.